A Câmara Municipal de Vereadores de Umbaúba recebeu um numero considerável de munícipes a fim de ouvirem a explanação do Major Anselmo Pereira Santos, Comandante do 6º Batalhão de Polícia Militar (6º BPM) com sede no município de Estância e que é responsável pelas operações em todo o território Sul Sergipano, incluindo o município de Umbaúba. Também estava previsto para ontem a fala na casa do secretário de Obras, transporte e serviços Urbanos Alexsandro Santos Prado (Lequinho), mas nenhum dos dois convidados apareceu. Sem os convidados, os rumos das conversas tenderam para outro lado e a coisa ficou interessante.

Segundo o Presidente da Casa Guto Prado, o Comandante ligou para ele mais cedo avisado de sua impossibilidade de se fazer presente tendo em vista que, durante o dia, as chuvas castigaram a capital sergipana causando alagamentos em quase toda a cidade o que requereu sua atenção urgente, mas já deixou remarcado para a próxima sessão no dia 31/05. Já o Secretário de obras, teve de resolver problemas administrativos na capital do estado, ou não compareceu depois da conversa que teve com o líder do governo na casa José Ailton Hermenegildo (Zé Ailton do Imbé), que sugeria ao secretario a mudança de data devido a visita do Major Anselmo, segundo disse o vereador em tribuna e que ao que parece foi aceita.

Requerimentos Para Que?

Dito isso, tivemos uma sessão movimentada com a entrega por parte do Vereador Robson Fortunato da Silveira de três requerimentos a serem votados na casa. Os documentos discorriam sobre o envio par parte das secretarias responsáveis da prestação de contas referentes a valores, forma de cobrança e destino das verbas recolhidas com o imposto cobrado na feira livre do município. Do mesmo modo outros dois requerimentos fizeram cobranças semelhantes sobre a quantidade de prédios alugados bem como os valores dos mesmos. Já na área de saúde a cobrança era sobre a quantidade de pessoas contratadas, os cargos destas e valores pagos a esses contratados.

Para Robson os pedidos se veem aparados na lei que disciplina a função de um vereador e a medida tem por bem o querem de ajudar o município, todavia, os pedidos contidos no requerimento não agradou a maioria dos parlamentares, mas mexeu em especial com o Líder do Governo na Casa, que se pronunciou contrario em sua fala na plenária e conclamou seus colegas a seguirem-no, e deu certo. Posto à votação, o requerimento de Nº 13 (os outros foram retirados) foi o primeiro a receber 06 dos 11 votos possíveis contrários e foi reprovado. Contudo, o líder do governo disse que não é de forma nenhuma contrário a que se faça transparência nas ações públicas municipais, mas ele entende que o vereador deve ir in loco averiguar. Só resta saber o que averiguar sem nenhuma base documental uma vez que a reprovação do requerimento negou isso.

A ultima cartada dos vereadores sobre verificação In loco foi a criação de uma comissão que visitou as construções paradas no município para saber o porquê das mesmas não terem sido terminadas. O resulta do da comissão foi…, bem ainda não se sabe, pois os resultados não fora publicisados na tribuna e devem estar a espera da visita do secretário obras à casa. Vale ressaltar que o levantamento não foi produzido para ele e sim para informar a sociedade do ponto de vista dos vereadores sobre a estagnação das obras.

Umbaúba Não Tem Oposição!

A sociedade espera que os vereadores seja s fiscais, os olhos dos eleitores, do povo no que se refere a criação e aplicação das leis e das politicas públicas baseadas nas leis já existentes. Quem desempena melhor este papel de forma geral são os vereados de oposição, com uma visão mais apurada para os erros governamentais e que utilizam esse desligamento do executivo para cobra mais que os outros, mas em Umbaúba não existe oposição. Essas foram as palavras ditas pelo Vereador Marco Antônio (Caio Vereador.)

“Me perguntam na rua se há oposição nesta casa e, eu categoricamente respondi que não existe. Nestes cinco meses essa palavra não criou, pois tudo que foi feito nesta casa até os dias de hoje foi para ajudar a população, ajudar o gestor atual a administrar de forma acertiva, a administração do atual prefeito”, disse Caio comprovando a ideia de muitos.

É preciso que esses pontos de vistam mudem e que as fiscalizações que são obrigatórias desçam das tribunas do ego e ganhe as ruas, caminhe pelas estradas do conhecimento do executivo afim de proteger ao povo como prometido.

Ao que se pode supor a única oposição a atual gestão e a possibilidade de que ela venha cometer atos administrativos incoerentes com a boa gestão são é a população que vem fazendo das redes sociais sua tribuna popular com cobranças, questionamentos e como é de se esperar, pouco retorno em seus anseios por parte da grande gestão e dos escudos que juraram proteger o povo contra as lanças do poder.