O Tribunal de Contas do Estado (TCE/SE) emitiu uma medida cautelar PROIBINDO O MUNICÍPIO DE Umbaúba e mais 52 em todo o estado de promoverem festividades carnavalescas. A decisão foi tomada como base em denuncia do Sindicato dos trabalhadores na Educação de Sergipe (SINTESE) que alega que, há por parte destes municípios a ausência de pagamento dos vencimentos e dos décimos terceiros salários do magistério.

sinteseComo o Tribunal está em período de recesso funcional, a determinação advém de decisão do conselheiro presidente Clóvis Barbosa, que exige ainda dos municípios a destinação prioritária dos recursos recebidos pelo FUNDEB, MDE e salário-educação à folha de pessoal do magistério, “garantindo-lhe precedência no pagamento em relação a demais credores e servidores, até a data-limite do quinto dia útil do mês subsequente”.

Em nota enviada a imprensa a prefeitura de Umbaúba negou que estivesse em debito com os servidores da educação do município. Além de negar a suposta divida classificou a denuncia do Feita pelo Sintese como ‘Ato de Perseguição’.

Veja a nota na integra

A prefeitura Municipal de Umbaúba vem por meio desta nota desmentir mais uma vez o Sintese, e ao mesmo tempo não entende a perseguição do sindicato ao município nessa gestão.

O Sintese incluiu o município numa ação onde segundo o sindicato o município está devendo aos professores do magistério.

O sindicato mostra que o município de Umbaúba está em atraso com o décimo terceiro, salário de dezembro, salário de janeiro, como foi exposto na medida cautelar do TCE, (Tribunal de Contas do Estado), que proíbe 53 municípios de fazer festa.

Não nos atinge por dois motivos, primeiro porque estamos em dias com os professores no assunto em questão, segundo porque não temos a tradição de realizar festa no carnaval, depois pelo o atual momento em que atravessa o país todo e qualquer dinheiro depois das obrigações com folha de pagamento e fornecedores, tem que ser revertido em melhorias para a Nossa população.

Esse é o compromisso da nossa gestão. Agora eu pergunto mais uma vez, já que da primeira vez não obtivemos resposta por parte do sindicato.

Porque o Sintese foi tão desvalorizado na gestão do ex-prefeito Anderson Fontes Farias do PT e nunca fez nada? Inclusive ele deixou a prefeitura devendo aos professores, por quê? O sindicato tem algum vínculo com o ex-prefeito? Eu não quero acreditar nisso! Por isso aguardo a resposta.

Quanto a nota dos 53 e três município nos exigimos que o síntese corrija  o erro,  e traga a sociedade sergipana a verdadeira realidade. Até porque temos como provar o que estamos dizendo, e lembrando que essa não é a primeira vez que este sindicato tenta macular a imagem dessa gestão, e vai ficar ridículo a gente ter que está sempre desmentindo um sindicato que um dia foi tão sério.

Cléo Menezes | Secretário de Comunicação da PMU