“UMA VIDA SEM LIMITE”: VOCÊ VAI QUERER SABER COMO

0
540

Uma linda jovem adolescente que sonha em sorrir, correr, paquerar, namorar e se apaixonar como qualquer outra garota na sua idade, mas isso não é a coisa mais fácil do mundo para Natache Iamayá, uma jovem modelo carioca portadora de uma doença neurodegenerativa muito rara e sem nenhuma chance de cura nos dias atuais.

Uma Vida Sem Limites 5

A garota carioca de 33 anos, Natache Iamayá, é portadora de Ataxia de Friedreich, uma rara doença neurodegenerativa, que compromete a coordenação motora, a capacidade de articular palavras de maneira correta, reduz reflexos nas pernas, e provoca deformidades dos membros. O quadro é inevitavelmente progressivo.

Pensando em como melhorara a vida de Natache, de realizar os sonhos dessa linda jovem é que um grupo de cineastas resolveu contara sua história de luta contra a doença em um documentário de nome “Uma Vida Sem Limites”. O longa-metragem pretende contar a trajetória de luta e superação de Natache Iamayá, através de sua própria experiência pessoal, sua visão pessoal do mundo, acrescido dos depoimentos de seus familiares, amigos, médicos especialistas, além de seus fisioterapeutas, personal trainers, etc.

O foco principal da história será a superação das dificuldades, e a luta de Natache contra o preconceito e por uma melhoria nas condições de vida dos deficientes físicos no Brasil.

Apesar de seu drama pessoal ser retratado na obra, este será apenas um ponto de partida para sua história de superação, de forma positiva e motivacional, e como seu sonho em ver um cura para sua doença teve um poder transformador em seu comportamento, mudando seus objetivos de vida.

Como Fazer

Tudo na vida tem um custo, todos nós sabemos disso e o custo da Café Lumierè, produtora do documentário é de R$ 35.000 e para alcançar essa meta e realizar esse projeto/sonho, o diretor cinematográfico e editor de imagens, Rafael Fracacio resolveu contar com a generosidade do povo brasileiro disponibilizando no site de Crowdfunding (vaquinha eletrônica) Catarse o projeto para arrecadar a quantia necessária.

Esse tio de site funciona através de doação e recompensas ao doar onde cada recompensa dependerá da quantia doada. Neste caso, a doa ção mínima é de R$ 10,00 e terá como recompensa o nome do doado incluso nos créditos de financiamento coletivo nos créditos finais do filme e no site do projeto na internet.

Para quem fizer a doação máxima que é de R$ 3.000 reais será “considerado um patrocinador” Oficial e terá além das demais vantagens oferecidas nos outros valores, a inclusão da logomarca da empresa do doador nos créditos do filme, no website e em todo o material de divulgação do longa.

O período de campanha vai de 16/03/2016 a 15/05/2016 (60 dias) e quem desejar contribuir poderá fazer sua doação através do site https://www.catarse.me/umavidasemlimites. Na página você encontrará todos os detalhes do projeto e todas as formas de participar e escolher sua recompensa.

A estimativa de entre da produção é para dezembro de 2016. Abaixo conheça mais um pouquinho sobre o projeto.

Uma Vida Sem Limites 2Sinopse

Natache Iamayá, carioca de 33 anos, é portadora de Ataxia de Friedreich, uma rara doença neurodegenerativa, que compromete a coordenação motora, a capacidade de articular palavras de maneira correta, reduz reflexos nas pernas, e provoca deformidades dos membros. O quadro é inevitavelmente progressivo.

Natache sempre foi uma adolescente extremamente independente. Praticava esportes, e amava dançar, com uma vida ativa: escola, lazer, amigos, etc. De repente, começaram a aparecer os primeiros sinais de que algo não ia bem: seu andar ficou prejudicado, faltava coordenação motora, derrubava as coisas que segurava e a voz passou a ficar baixa e falha.

O diagnóstico veio no início da juventude, aos 19 anos, através de um teste genético, depois de ser avaliada por vários especialistas e ser submetida a uma série de exames inconclusivos.

Com vergonha de ser perceptível para os outros, Natache se isolou do mundo durante anos, por medo, raiva e muita tristeza.

Cerca de dez anos após o diagnóstico, motivada pelo sonho da cura, Natache superou a depressão e iniciou uma luta contra o preconceito, numa busca incessante pelos avanços no campo social para cadeirantes, brigando por direitos igualitários para deficientes físicos.

Em 2014, foi eleita musa do topless no Rio de Janeiro, em uma polêmica votação que projetou sua história pessoal na mídia, chamando a atenção para o problema do preconceito e da acessibilidade no Brasil.

Hoje, além de seus trabalhos como modelo, suas conquistas no ativismo pelos direitos de deficientes e mulheres, lhe renderam a título de “Embaixadora da FARA”, no Brasil. A FARA (Friedreich’s Ataxia Research Alliance) é um órgão internacional sem fins lucrativos que dá suporte e apoio aos portadores de Ataxia de Friedreich, além de incentivar pesquisas no campo científico em busca de uma cura para a doença.

Motivada por seu sonho, Natache continua sua jornada, tocando corações e motivando diversas pessoas a continuarem lutando por sua dignidade, independente de sexo, etnia, ou condições físicas.

Hoje existem cerca de 50 milhões de deficientes físicos no Brasil (cerca de 25% da população), 120 deles portadores de Ataxia de Friedreich.

Estrutura Narrativa

O tom narrativo será motivacional, inspirado pelos próprios objetivos de Natache em ver todos os deficientes sendo tratados como pessoas comuns, sem preconceitos, sem medos, incentivando todos a acreditarem em seus sonhos…

Serão intercalados depoimentos diversos, com imagens de arquivo pessoal, fotos, cenas rodadas especialmente para o filme, clippings de notícias, aparições na televisão, e principalmente, a própria narração de Natache, em primeira pessoa, apresentando seu ponto de vista pessoal sobre sua história, e sua visão de mundo.

Observações

O evento intitulado “TOPLESSAÇO”, protesto pacífico que busca incentivar a democracia nas praias cariocas, ao apoiar movimentos e leis ligados à prática do topless e do naturismo, de forma saudável, debatida e responsável, assim como a acessibilidade, no qual Natache Iamayá foi eleita “musa do topless”, no Rio de Janeiro, aconteceu em 20 de janeiro de 2015.

A equipe de produção captou imagens durante o evento, com intuito de ilustrar a importância social e midiática de Natache como “musa do topless” no Rio de Janeiro.

Para manter a obra livre de censuras ou de restrições etárias, não será mostrada nenhuma cena de nudez, erotismo, ou sensualidade… O evento foi registrado em sua integridade, mas com as participantes do topless sempre sendo retratadas em planos próximos (closes e big closes de rosto), de costas para câmera, em contraluz, ou com objetos em primeiro plano que ocultam quaisquer possibilidades de demonstração de nudez.