Ouvir com webReader

Representantes de entidades que atuam no combate ao câncer estiveram reunidos com o conselheiro-presidente do Tribunal de Contas do Estado (TCE), Clóvis Barbosa de Melo, e a vice-presidente, conselheira Susana Azevedo, nesta segunda-feira (17). No encontro foram debatidas dificuldades comuns encontradas pelos cidadãos na prevenção, diagnóstico e tratamento de câncer em Sergipe.

Entre os temas colocados estavam os problemas vivenciados pelos pacientes dos municípios do interior que têm dificuldade de deslocamento para a capital, a questão da transparência nas filas das sessões de radio e quimioterapia, a falta de medicamentos e a situação dos mamógrafos do Centro de Referência da Mulher, que, segundo os visitantes, estariam quebrados.

“Temos buscado dar nossa contribuição para contornar toda a irresponsabilidade que sempre vimos no tratamento do câncer em Sergipe e é sempre imprescindível que ouçamos os pacientes e as entidades que atuam nesse sentido”, comentou o conselheiro Clóvis Barbosa.

De acordo com a conselheira Susana Azevedo, todas essas falhas e as ações necessárias para contorná-las irão constar no Termo de Ajustamento de Gestão (TAG) que os gestores da Saúde e dos hospitais de Urgência (Huse) e Cirurgia irão assinar junto ao Tribunal.

“Ouvimos as necessidades das pessoas que estão tratando o câncer, os problemas que estão passando em nosso Estado, e tudo isso será considerado na formatação do TAG onde vamos colocar toda essa problemática para que os gestores possam cumprir o que for acordado”, afirmou a conselheira, destacando ainda ser fundamental um trabalho mais incisivo na prevenção do câncer.

Entre os presentes na reunião esteve o presidente do Instituto Voz Brasil, Rodrigo Vasco, que destacou as perspectivas de avanços, sobretudo quanto aos problemas de deslocamento enfrentados pelos pacientes do interior.

“O Tribunal já vai enviar um oficio ao Cosems [Colegiado de Secretários Municipais de Saúde do Estado de Sergipe] para pegar essas informações com eles, quantos pacientes são acompanhados, se está tendo problema no deslocamento”, colocou.

Acompanharam ainda o encontro representantes do Grupo de Apoio a Criança com Câncer (GACC) e da Onco Cirurgia.