Montagner, ao lado da atriz Camila Pitanga, morreu afogado em uma área de risco na localidade prainha Beira Rio, em Canindé, que não havia sinalização que informava a proibição para banhos. O processo encontra-se concluso ao Juízo Criminal de Canindé, aguardando despacho do juiz Paulo Roberto Fonseca Barbosa, o que deverá ocorrer nos próximos dias.

O delegado de Polícia de Canindé, Antônio Francisco de Oliveira Filho, após instaurar inquérito e realizar diligências deduziu pela ‘atipicidade de da conduta, sem responsabilizar ninguém pela morte do ator Domingos Montagner, que teve repercussão em todo o País.

Segundo fonte da Justiça, o delegado foi pela “contramão do entendimento do Ministério Público e de toda a sociedade brasileira”, ao não encontrar culpados pela morte do ator, o que fez o promotor oferecer denúncia contra o secretário de Turismo e o prefeito municipal, após estudar minuciosamente o caso.

Denúncia

Em sua denuncia, o promotor de Justiça Emerson Oliveira Andrade, faz um relato da falta de placas que informassem à população que o local em que Domingos Montagner e Camila Pitanga foram tomar banho nas águas do rio São Francisco em área que não era adequada e oferecia perigo em razão da correnteza e de redemoinhos.

O promotor diz, ao fazer a denúncia, que o “José Dimas dos Santos Roque, conhecido por Dimas Roque, tinha o dever legar de agir, vez que com seu comportamento anterior (retirada de bóias, das placas de sinalizações e demissão dos guardas vidas), criou o risco da ocorrência do resultado ao liberar a área para banho, sem atender os deveres objetivos de cuidados, sem tentar impedir a ocorrência de resultados danosos, cuja ação resultou na morte do ator Domingos Montagner”.