Lula deu um recado nesta quinta-feira (13), em coletiva na sede do Partido dos Trabalhadores em São Paulo, para aqueles que querem seu fim político. “Quem acha que é o fim do Lula vai quebrar a cara. Me esperem, porque somente quem tem o direito de decretar o meu fim é o povo brasileiro”, afirmou. “Se alguém pensa que, com essa sentença, me tiraram do jogo, eu tô no jogo.”

“Eu não sei como alguém consegue escrever trezentas páginas para não dizer absolutamente nada de provas contra o cidadão que ele quer condenar”. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que esperou até ter conhecimento da sentença para se pronunciar sobre a decisão de Moro no processo do triplex do Guarujá. Lula agradeceu a todos que participaram de sua defesa e disse ter certeza de que a verdade neste caso será reestabelecida. “Não é possível acreditar no estado democrático de direito sem acreditar na Justiça. E eu acredito na Justiça. E a única prova que tem nesse processo é a prova da minha inocência”.

O ex-presidente fez questão de deixar claro que tem muito respeito pelo Ministério Público e pela Polícia Federal. Tanto que deixou essas instituições muito mais fortes do que eram quando ele assumiu. Mas explicitou sua crítica contra os policiais federais e promotores da equipe da Lava Jato.

Lula disse ao encerrar seu pronunciamento que ainda não tinha decidido a ser candidato, mas que agora ele será sim candidato em 2018 e disse que ira concorrer para fazer o que o atual governo e seus apoiadores não conseguem.

“Quando este país não tiver mais jeito, quando os economistas de direito não tiverem mais solução permitam que nós botemos o pobre no orçamento outra vez e este país voltará a crescer. Senhores da casa grande, permitam que alguém da senzala faça o que os senhores não sabem fazer” disse ele e concluiu falando que, “Se alguém pensa que com esta sentença me tiraram do jogo podem saber que estou no jogo. Quero dizer ao meu partido que eu até agora não tinha reivindicado, mas a partir de agora vou reivindicar do meu partido o direito de me colocar como postulante ao cargo de presidente”.