Até a crise econômica no Brasil funciona promovendo a desigualdade entre os entes federados que a recebe, ou melhor, que precisa coexistirem com elas e dessa forma parece não atingir alguns municípios, mesmo quando estes choram miséria culpando-a pela situação em que se encontram. Este parece ser o caso de Ribeirópolis, município do agreste sergipano a cerca de 76km de Aracaju, capital do estado, onde os vereadores acabaram de aprovar o aumento dos seus próprios salários.

O Projeto de Lei nº 20/2016, que fixa o subsídio dos vereadores para legislatura de 2017/2020 foi apresentado e votado na sessão da última quinta-feira (08/09). No mesmo dia também foi apreciado e votado o PL 21/2016, que fixa o subsídio do prefeito, vice-prefeito, do Procurador Geral do município e dos secretários municipais para o mesmo período.

Após apreciação seguindo os trâmites regimentais da casa foi realizada a votação que terminou com a provação dos projetos. Com isso, o Prefeito e o vice-prefeito passarão em 2017 até 2020 a receber mensalmente R$ 30.386,70 e do vice-prefeito a R$ 20.257,80, respectivamente. Já o Procurador Geral do município e os Secretários Municipais equiparam-se aos salários dos vereadores ficando em cerca de R$ 7.596,68.

O reajuste é apresentado e votado a cada quatro anos na Câmara de Vereadores do município de Ribeirópolis. Isso acarretará em um aumento de R$ 1.531,125 (Sem os secretários e o procurador) ao cofres públicos por ano.

Confira como foi a votação.

APROVARAM O AUMENTO

 

Lucivânia Amarante (Vaninha/Pros) NÃO COMPARECERAM À SESSÃO
Pedro do Carmo de Jesus (DEM)   Antônio Santos (PSB)
José Alberto Filho (Polaque/Pros) VOTARAM CONTRA O AUMENTO Ney Max Santana Oliveira (Max de Zé de Toinho/DEM)
Edvaldo da Costa Andrade (Vado/DEM) Flavio Passos Aragão (Rede)  
Maria Nage Lima Góis (PSB) Rogério Sobral Costa (PSB)

 

 
Pedro Francisco de Oliveira (Pedrinho da Topic/PTC)