Em entrevista ao Estadão, o vice-presidente da Câmara dos Deputados e substituto imediato de Rodrigo Maia (DEM-RJ), o deputado Fábio Ramalho (PMDB-MG), defendeu um “prazo de validade” para a Lava Jato.

A afirmação não agradou em nada o procurador da República Carlos Fernando dos Santos Lima, da força-tarefa da Operação Lava Jato. Em sua rede social nesta segunda-feira, 24, Carlos Lima reagiu postando mensagem onde afirmou que ‘o próximo passo do PMDB’ parece ser acabar com a investigação e que pessoas que apoiavam a investigação só queriam o fim do governo Dilma e não o fim da corrupção.

O procurador afirmou que ‘as investigações vão continuar por todo o País’.

“Acabar com a Lava Jato. Esse parece ser o próximo passo do PMDB. Infelizmente muitas pessoas que apoiavam a investigação só queriam o fim do governo Dilma e não o fim da corrupção. Agora que Temer conseguiu com liberação de verbas, cargos e perdão de dívidas ganhar apoio do Congresso, o seu partido deseja acabar com as investigações. Mas, mesmo com todas as articulações do governo e de seus aliados, as investigações vão continuar por todo País”, escreveu.

Na entrevista, Fabio Ramalho afirmou que “o Brasil não vai aguentar isso para o resto da vida!”.

“Ela (Lava Jato) não pode ser indeterminada. Ela já fez o seu trabalho”, disse o deputado.

Veja a entrevista completa no link a seguir: Tem que ter coragem para processar poderosos, diz procuradora da Lava Jato em SP

“Defendo a Lava Jato, mas tem de ter prazo de término. O Brasil não vai aguentar isso o resto da vida. Além da corrupção, tem de se avançar na desburocratização do País, na segurança jurídica do País, nas reformas.”

Questionado sobre qual seria o prazo para a Lava Jato terminar, o deputado declarou. “Determina um tempo: seis meses.”