Ouvir com webReader

O fato teria acontecido no final da tarde dessa quarta-feira, 03/09 quando o ministério publico estadual através de sua representante na comarca, a juíza Dra. Karina Torres Gouveia Marroquim Abdala teria chamado ao fórum o Presidente da Câmara Municipal de Vereadores e o Prefeito do município para discutir o impasse existente estre os dois poderes no tocante ao atraso do salários dos servidores públicos do município.

COMBINADO
José Silveira (Zé de Francisquinho), prefeito de Umbaúba à esquerda e Carlos Alexandre (Pato Maravilha) presidente da Câmara de Vereadores, à direita.

Segundo informações, José Silveira (Zé de Francisquinho), prefeito de Umbaúba e Carlos Alexandre (Pato Maravilha) presidente da Câmara de Vereadores, teriam entrado no fórum por volta das 15hs e 40 min e saindo de lá por volta das 18hs e 20 min.

As decisões tomadas durante a conversa entre os representantes dos três poderes no município não pode ser precisado, porém, é quase certo que o principal assunto tenha cido a melhor maneira para que seja resolvido o impasse e que assim os funcionários municipais possam vir a receber seus soldos que completam dois meses de atraso na próxima sexta-feira, 05/09.

Impasse

A prefeitura municipal através do seus gestor afirma que não possui a dotação orçamentaria necessária para fazer o pagamento dos funcionários. Sem essa dotação, a efetivação desse gasto com a folha salarial incorreria em improbidade sobre o administrador, segundo afirma a gestão.

Para que isso não venha a ocorrem, o gestor enviou a câmara projeto de lei pedido a autorização de remanejamento do quantitativo de 45% do valor do orçamento para custiar dentro da lei esse pagamento.

O projeto entrou na casa agora no segundo semestre após a volta dos vereadores do recesso, mais foi analisado, votado e reprovado pela maioria da casa. Como justificativa, os vereadores, em sua maioria opositora a gestão, alegaram não haver detalhamento suficiente tanto do projeto quanto dos gastos já executados no orçamento normal em 2014 e que por isso não foi possível a aprovação do referido projeto.

Na quinta-feira passada, 28 de agosto, os vereadores convocaram uma audiência pública na câmara para discutir o assunto e nela afirmaram através do representante do siteses que haviam fundos e dotação suficiente para este pagamento. No mesmo dia, o prefeito e sua equipe de finanças organizaram uma audiência para discutir a criação do Loa para 2015 e também tocou no assunto e reiterou que não tem realmente como executar esse pagamento sem a aprovação do remanejamento.

No mesmo dia da audiência o projeto de remanejamento foi enviado a casa legislativa pela terceira vez este ano para apreciação e posterior aprovação. Dessa vez, o texto foi municiado de explicações cobradas nas duas versões anteriores, mais até agora nem entrou em pauta para leitura.