Apesar do incêndio supostamente criminoso que atingiu a Câmara de Vereadores de Cristinápolis por volta das 2h da madrugada desta sexta-feira (12), destruindo parcialmente a casa legislativa e documentos da Câmara, a sessão extraordinária que decidiria sobre o Impeachment do prefeito da cidade, Raimundo da Silva Leal, o padre Raimundo (PMDB) foi mantida e aconteceu como previsto.

PADRE-RAIMUNDO

A sessão aconteceu ainda nas dependências da Câmara Municipal, mesmo parcialmente destruída pelas chamas da madrugada. Na tribuna os vereadores contrários e a favos da cassação expunham seus pontos de vista enquanto que plenárias assistindo a sessão estava pouco mais de 30 pessoas apenas.

A quantidade de pessoas na plenária foi uma medida de segurança tomada pelo presidente da Casa, o vereador José Dantas de Santana e a policia que fazia a segurança do local. Após as discussões a decisão tomada em votação na plenária decidiu que por 9 votos a 2, o direito de administrar do Padre Raimundo estaria cassado.

Padre Raimundo foi alvo da comissão processante que o acusou de atos de infrações política-administiva que configuram Crimes de Responsabilidade previstos no Decreto-Lei 201/67.

O vice-prefeito, João Dantas (PSC) vai assumir o comando da prefeitura após a cassação.

Vereador Voto
Charles Pereira da Silva | “Nino da Topic” SIM
Cristiana dos Santos | “Cristiana do Bom Sucesso” NÃO VOTOU
Eugênio Ferreira Dias | “Nininho Dias” SIM
Gislandes Rocha | “Nêga da Gente” SIM
Givaldo Oliveira Fagundes | “Zebrinha” SIM
Jamisson Félix dos Santos | “Champinha do Bairro” NÃO VOTOU
Jose Dantas de Santana | “Zé Dantas” SIM
Jose Menezes Lima | “Zé de Alaíde” SIM
Josefa Betânia dos Santos | “Professora Betânia” SIM
Landerrobson Jairon dos Santos Ribeiro | “Landinho” SIM
Raimundo Dantas do Espirito Santo | “Mundinho Badia” SIM

VEREADORES DE CRISTINÁPOLIS

O ato de cassação do mandato administrativo do prefeito Padre Raimundo Leal cabe recurso que já esta sendo providenciado para ser impetrado, segundo informou sua assessoria a nossa reportagem.

Entenda o caso

Os vereadores de Cristinápolis aprovaram não dia 17 de novembro do ano passado, por oito votos a dois, a abertura do processo de impeachment do prefeito Raimundo Leal. O pedido de impeachment foi protocolado na Câmara de Vereadores nos últimos cinco dias antes por um empresário da cidade. Na época, o prefeito não foi localizado para falar sobre o assunto, mas a assessoria informou que ele recebeu com surpresa a aprovação do pedido de impeachment.

“Algumas irregularidades administrativas foram encontradas durante a realização de uma CPI e isso motivou a abertura do processo de impeachment”, explicou José Dantas,há quase três meses.