Sergipe registrou 1.456 acidentes típicos e 472 de trajetos, em 2016. Os setores com maior índice foram: Saúde, Construção Civil, Comércio varejista em geral, atividades ligadas ao Petróleo e Indústria Têxtil. Os números foram apresentados, nesta quinta (4), em seminário para conscientizar sobre a importância de promover a cultura da prevenção e a melhoria das condições de trabalho para reduzir esses números.

O evento foi promovido pela Superintendência Regional do Trabalho de Sergipe (SRTE/SE) e faz parte da Campanha Nacional de Prevenção de Acidentes do Trabalho (Canpat 2017). Na programação, foram proferidas palestras sobre acidentes e doenças do trabalho e normas regulamentadoras.

A campanha é uma ação desenvolvida pelo Ministério do Trabalho em parceria com outros órgãos, com o tema Conhecer para Prevenir. “O envolvimento de cada cidadão brasileiro é essencial para alcançarmos uma cultura da prevenção no ambiente do Trabalho”, disse a superintente regional do Trabalho, Celuta Cruz Moraes Krauss.

“É importante a discussão e o envolvimento das instituições, sociedade, trabalhadores, empregadores e sindicatos. É fundamental a sensibilização de todos na promoção de uma cultura da prevenção, pela melhoria das condições de trabalho, para reduzir de maneira significativa as doenças e as lesões no local de trabalho,” destacou a superintendente.

Brasil – No Brasil, em 2016, foram registrados cerca de 710 mil acidentes e mais de 2.800 mortes. Segundo dados da OIT, o custo estimado anual desses acidentes chega a 4% do PIB, o equivalente a R$ 200 bilhões por ano.