Ouvir com webReader

[dropcap]O[/dropcap] Complexo de Operações Policiais Especiais (Cope) da Polícia Civil apresentou na tarde desta quinta-feira (25), três pessoas responsáveis por explosões de caixas eletrônicos no interior do Estado. Entre eles estavam Antônio Clivio de Santana, conhecido como “Té ou Bracinho”, 44 anos, suspeito de planejar, contratar pessoas para executar os assaltos e dar todo suporte logístico aos executores.

COPEEle foi preso acusado de praticar uma tentativa de homicídio no dia 21 de setembro no município de Palmeiras dos Índios (AL). “Na delegacia, ele forneceu o nome falso de José Valdo da Silva, mas a Divisão Especial de Investigação e Capturas (Deic) de Alagoas descobriu sua verdadeira identidade e o encaminhou para a capital sergipana”, disse o diretor do Cope, delegado Jonathas Evangelista.

A Polícia Civil já confirmou o envolvimento de Clivio nos assaltos aos bancos das cidades de Japaratuba, Ribeirópolis, Aquidabã, Siriri e General Maynard. “Registramos 16 explosões de caixas eletrônicos em Sergipe neste ano e acreditamos que em pelo menos 12 desses crimes, Clivio participou de alguma maneira”, explicou.

No último assalto realizado por seus comparsas ao Banese de Nossa Senhora de Lourdes, Clivio forneceu os detonadores e explosivos para concretizar o crime. O assalto foi executado pela quadrilha do ex-policial militar Manoel Messias dos Santos Júnior, 41 anos, que começou a ser desarticulada em junho deste ano.

Após a chegada de Clivio ao Cope, a Polícia Civil conseguiu prender em Aracaju a namorada dele Randaika Santos, 25 anos, e Cássio José Mangueira Mota, 36 anos, o ‘Barbicha’. “Randaika tinha um papel ativo na quadrilha. Em um dos assaltos realizados na Caixa Econômica Federal de Maruim, cuja investigação é da Polícia Federal, tivemos acesso às imagens do banco que mostram Randaika armada dando proteção aos comparsas”, destacou.

Em depoimento no Cope, Clivio não assumiu todos os crimes que são atribuídos a ele embora a polícia tenha um farto conjunto de provas. Randaika confessou a participação no assalto de Maruim e Cássio disse que só participou da explosão de Japaratuba.

Estatística 

Até o momento, a Polícia Civil de Sergipe prendeu 30 assaltantes de banco que agiram em Sergipe em 2014. As prisões foram feitas em solo sergipano e em várias partes do país.

INFO: A8