Que a Globo é a maior empresa de comunicação e entretenimento do Brasil você já sabe. Que ela vem buscando se estabelecer – de forma as vezes desastrosa – entre o público jovem, você também já sabe. Que ela vem tentando – sem muito sucesso como sempre – ganhar espaço entre os internautas você também já percebeu. O que você talvez não tenha vista ainda são os caminhos tortuosos que a emissora e sua grade de programação mais do mesmo percorrem no dia a dia para chegar a esse espaço gigantesco e cumprir a dura missão de conquistar os internautas que vivem num espaço sugestivamente livre.

Pitty

Mais chegar para ficar na internet é tarefa difícil até para a gigante da TV brasileira a costumada a controlar uma enorme massa de espectadores.  Esse, em sua maioria quando não concordam com um determinado assunto aborda numa novela, ou num dos programas da emissora, fazem das redes sociais o seu tribunal da inquisição e buscam converter espectadores e decapitar as erratas que segundo eles foram cometidas pela emissora.

No último domingo, 07/09, a cantora de rock, a Baiana Pitty, participou ao vivo do programa global “Esquenta” apresentado por Regina Cazé, para divulgar seu mais novo trabalho e de quebra relembrar alguns de seus maiores sucessos para o público da emissora.

O que deixou muita gente confusa foi quando a cantora apresentou um de seus hits, a música “Me Adora”, que acabou tendo uma das frases censurada, pelo programa, tanto o áudio quanto a legenda. O que seria “Que você me adora. Que me acha foda” se transformou em “Que me acha #@$@”. Já o áudio ganhou o tradicional “PIII” usado para esconder os palavrões.

Isso foi o suficiente para deixar os fãs da baiana revoltados na internet. Milhares foram ao Twitter e deixaram a hashtag #PittyNoEsquenta, comentando o quanto esquisito e inadequada foi a censura.

O rosto da musa do rock virou uma espécie de meme na internet, dando a entender que também não gostou muito da vetada.

E você o que acha desse tipo de atitudes por parte da emissora? Deixe sua opinião nos comentários.