Um incêndio supostamente criminoso atingiu e destruiu parcialmente a Câmara de Vereadores de Cristinápolis, município do extremo sul sergipano. Documentos da Câmara fora destruídos no incêndio.

A Câmara foi incendiada por volta das 2h desta sexta-feira (12), mesmo dia em que seria realizada a sessão extraordinária que decidiria sobre o Impeachment do prefeito da cidade, o padre Raimundo da Silva Leal (PMDB).

De acordo com o vereador José Dantas de Santana, presidente da Câmara Municipal, invasores teriam utilizado uma pedra de cerca de 10 kg para quebrar a porta de vidro do local e utilizado combustível para atear fogo. Apesar da maioria da documentação ter sido destruída no incêndio, ele não conseguiu precisar de os documentos referentes ao impeachment do Padre Raimundo foi queimada junto.

“A sessão extraordinária onde seria votada a cassação do prefeito estava marcada para as 14h desta sexta-feira (12). Diante desse fato, que acredito ter sido um incêndio criminoso, a mesa diretora da Câmara vai se reunir com o setor jurídico para saber o que deve ser feito. Se as provas foram queimadas não poderá haver cassação”, afirmou José Dantas.

A equipe de reportagem do Portal Alarde entrou em contato com Assessoria de Comunicação da Prefeitura Municipal de Cristinápolis (via vídeo call) que informou apenas que “até o momento da reportagem o prefeito não pretende se manifestar por não ter nada informar uma vez que aconteceu na madrugada e ninguém viu, ninguém sabe de nada mais do que já foi informado pela imprensa”.  O site está a disposição para incluir o posicionamento do prefeito sobre o caso nesta reportagem assim que ele se dispuser.

Entenda o caso

Os vereadores de Cristinápolis aprovaram não dia 17 de novembro do ano passado, por oito votos a dois, a abertura do processo de impeachment do prefeito Raimundo Leal. O pedido de impeachment foi protocolado na Câmara de Vereadores nos últimos cinco dias antes por um empresário da cidade. Na época, o prefeito não foi localizado para falar sobre o assunto, mas a assessoria informou que ele recebeu com surpresa a aprovação do pedido de impeachment.

“Algumas irregularidades administrativas foram encontradas durante a realização de uma CPI e isso motivou a abertura do processo de impeachment”, explicou José Dantas,há quase três meses.