Tirar uma “selfie” é hoje uma das formas mais comuns de promover-se em redes sociais, mas é também uma pratica que já esta sendo considerada perigosa. Em todo o mundo pessoas já morreram atropeladas os já caíram em penhascos ou de calçadas altas ao tentara encontrar uma boa posição para tirar uma auto-foto. A moda (ruim é claro) mais recente é quebrar objetos valiosos e lojas e museus pelo mundo.

Um visitante brasileiro quebrou uma estátua barroca do século 18 ao tentar tirar uma selfie enquadrando a escultura. O acidente aconteceu no Museu de Arte Antiga em Lisboa, que excepcionalmente tinha a entrada grátis no primeiro domingo do mês.

Autoridades agora avaliam se a obra, uma representação de são Miguel Arcanjo sem autor definido, mas feita em um ateliê lisboeta, pode ser restaurada.

O incidente reacendeu uma polêmica sobre a falta de recursos e pessoal dos aparelhos culturais portugueses diante da explosão de turistas dos últimos anos. No início do ano, o diretor precisamente do Museu de Arte Antiga, António Filipe Pimentel, criticou publicamente o descaso com o patrimônio e afirmando que “de certeza absoluta que um dia destes há uma calamidade no museu”.

Pimentel reclamou que seu museu — um dos mais importantes do país, com 82 salas— tinha apenas 20 vigilantes, quando seriam necessários mais do que o dobro: pelo menos 50. Uma declaração que não caiu bem com a pasta da Cultura.

No domingo à noite, o Ministério da Cultura divulgou uma nota afirmando que havia um vigilante na sala no momento do acidente:

“O acidente correu quando o visitante, estando a fotografar uma outra obra, recuou sem olhar, não parou apesar dos alertas do vigilante, e foi contra a peça que se encontrava em cima de um plinto”.

Ironicamente, esta não é a primeira estátua centenária despedaçada devido à ânsia fotográfica na capital lisboeta. Em maio, um visitante escalou a fachada da histórica estação do Rossio para tirar uma selfie e acabou derrubando e quebrando uma escultura do século 18 que retratava d. Sebastião, rei de Portugal.