Ouvir com webReader
A Secretaria de Estado da Saúde realizou uma entrevista coletiva na manhã desta sexta-feira (4) para esclarecer o surto de KPC nas UTI’s de hospitais públicos e privados de Sergipe. Segundo a secretaria, a bactéria multirresistente, Klebsiella pneumoniae, produtora de carbapenemase (KPC), infectou 72 pessoas, 19 pacientes não resistiram e morreram. De acordo com a infectologista e coordenadora de controle de infecção hospitalar do Huse, Isa Lobo, as mortes não podem ser atribuídas à bactéria.
SAÚDE - KPC
“Essas pessoas que morreram estavam debilitadas e com outras doenças. Os pacientes morreram com a KPC, mas não podemos afirmar que foi a bactéria que ocasionou a morte, todos estavam com outras doenças graves. Sergipe foi o último estado a detectar a KPC em todo o Brasil, ela demorou para chegar aqui. Hoje existe um surto, porém não é preciso um desespero, existe um trabalho e é possível controlar a situação. No Huse, 13 pacientes se recuperaram e receberam alta médica, 10 ainda estão internados em UTI’s isoladas. A maioria destes pacientes pertence a um quadro irreversível de saúde”, explica Isa Lobo.
O Hospital Primavera, localizado na Zona Sul de Aracaju, registrou 11 casos de pessoas infectadas, duas morreram, quatro estão internadas. “A UTI 1, onde foram detectados os casos, foi destinada apenas para os pacientes com a bactéria. Quando o paciente deixa o local, ele segue para um andar exclusivo denominado como andar de contenção, os pacientes ficam um tempo lá para depois seguirem para alta médica. Atualmente, três pacientes estão na ala de contenção e um na UTI de forma separada. Todos os pacientes em UTI, que são de longa data e usam vários tipos de antibióticos, estão sendo submetidos a exames para detectar a bactéria constantemente. Essa é uma segurança de vigilância do hospital.
 Quando o paciente é identificado com a bactéria, fazemos um teste de sensibilidade, isso serve para saber a eficácia dos medicamentos no organismo do paciente. Foi esse procedimento que fizemos”, afirma Madeleine Ramos, diretora técnica e clínica do Hospital Primavera.
O Hospital de Cirurgia, localizado na Zona Oeste de Aracaju, também registrou duas mortes. Segundo o diretor técnico do hospital, Wagner Andrade, o hospital está preparado para a situação de surto. “Nós criamos uma enfermaria de quarentena composta com oito apartamentos de dois lugares, temos 16 leitos prontos para recebimentos de pacientes com KPC provenientes de todas as unidades hospitalares de Sergipe. Até o momento, o Hospital de Cirurgia recebeu cinco pacientes infectados. Dois pacientes morreram com a bactéria, mas eles estavam em situação bastante grave. Não podemos afirmar que a bactéria foi o motivo da morte”, ressalta Wagner Andrade.
Para o secretário estadual da saúde, a situação está controlada. “Nós conseguimos controlar a bactéria no Huse. O nosso objetivo é passar a nossa experiência para os outros hospitais. Não existe uma situação de pânico, é algo normal e corriqueiro”, diz o secretário da saúde José Sobral.
INFO: G1/SE