Há certo tempo nos corredores da politica sergipana vem correndo a conversa de que o Deputado Federal e líder do Governo André Moura estaria deixando sua atual legenda PSC. Essa saída seria na verdade uma troca de residência e o deputado então passaria a habita o PMDB, residência hoje do atual governador do estado Jackson Barreto.

N inicio desta semana, o colega repórter do Portal Sou de Sergipe publicou texto em sua coluna sobre politica onde, segundo ele, através de conversa com amigos próximos ao líder do governo teria sabido que as conversas se confirma.

Segundo Welder Ban, Moura estará assumindo as rédeas do PMDB no final de setembro próximo, o que nós remete a uma serie de pequenos questionamentos: Para onde vai o Governador? E seus aliados políticos que também são aliados de André Moura, onde ficarão?

Bem, a notícia do mês de posse de André no PMDB ainda seria uma surpresa para o governador JB, que também articula se filiar em outro partido. O governador expôs o seu desejo de trocar de legenda e está propenso a filiar-se ao PODEMOS, um partido que surge remanescente do PTN.

A conversa é que, para conseguir liberação de recursos em Brasília, Jackson Barreto utiliza os préstimos e prestígio do deputado federal André Moura (PSC). E o que chega é para concluir obras de governantes anteriores. De fato, até o momento JB não tem uma obra que marque a sua administração. Sente-se muito incomodado com isso, porque é aliado a um Governo que simplesmente despreza os interesses de Sergipe porque questões políticas.

Tendo a primeira pergunta quase que sanadas as duvidas partimos para a outra que questiona onde e como ficarão os prefeitos que tiveram André Moura e Jackson Barreto em seus palanques? Não foram poucos os que tiveram essa “sorte”, mas que agora terão que lidar com essa troca partidária e possivelmente com a mexida de expectativas do que se esperar dela.

A coisa é ainda mais difícil para prefeitos filiados a legenda do PMDB é que verão o governador sair e o deputado entrar na sigla com nova visão e muitas dificuldades para trabalhar com este grupo.

E você, arriscaria estimar como se dará esse – até onde se sabe – inevitável processo de rolagem de cargos?