Ouvir com webReader

A propaganda eleitoral do candidato do PSC da última segunda-feira, 15/09, representou uma guinada na estratégia que a equipe de campanha vinha desenvolvendo até o momento. Essa mudança se deu após o apelo de aliados para que Eduardo Amorim aparecesse com mais firmeza no horário eleitoral e ele cumprindo as ordens fez duras críticas ao adversário, mas cometeu erros irreparáveis.

AMORIM
Mesmo de forma muito tardia, a disputa eleitoral em Sergipe esquentou de vez.

Em um dos trechos do programa onde ele faz critica comparando a forma com que os serviços públicos aparecem na propagando do candidato Jackson Barreto e a realidade, segundo ele, foi utilizado um vídeo que mostra a superlotação do HUSE – Hospital de Urgência de Sergipe.  No comercial, o narrador afirmou que “na propaganda de Jackson, os hospitais e clínicas funcionam muito bem, tem médicos, remédios, equipamentos”. “Isso é propaganda enganosa”, frisou. Sob as imagens do hospital do início da década passada, o narrador estabelece o contraponto: “Na vida real, o Hospital João Alves não tem maca, não tem médicos, não tem remédios e as pessoas esperam meses por uma cirurgia”. “Parece hospital de guerra”, concluiu.

(O TRECHO DA SAÚDE ESTA ENTRE OS MINUTOS 3:46 A 4:05)

A intenção do candidato Eduardo Amorim (PSC) de mostrar os problemas no setor de Saúde do Estado em sua propaganda eleitoral acabou se transformando em um fiasco ao utilizar de forma grosseira imagens de superlotação do Hospital de Urgências de Sergipe mas que pertenciam ao ano de 2000, quando nem Jackson, nem Marcelo Déda eram governadores do estado. Uma informação presente no vídeo destoou da realidade: a data. As imagens foram captadas em 1º de janeiro de 2000, portanto num período anterior ao atual governo.

No início da década passada, o Estado era administrado por Albano Franco (PSDB), atualmente aliado de Amorim. O atual governo, foco da crítica do programa, iniciou sua gestão em 2007, primeiro com Marcelo Déda (PT), e desde dezembro do ano passado, com Jackson Barreto (PMDB), candidato à reeleição.

Sobre o vídeo, a assessoria do candidato enviou a seguinte justificativa: “O vídeo foi apresentado pelo Programa Fantástico, da Rede Globo, há pouco tempo atrás e está disponível na internet. Além disso, a situação caótica do Huse é pública e notória. Se a reportagem for qualquer dia na unidade hospitalar, vai encontrar a mesma situação mostrada no vídeo”.

COM INFO: Redação P.A/Sergipe 247