Edvaldo Nogueira (PCdoB) assumirá a Prefeitura de Aracaju em janeiro de 2017 após ter vencido o 2º turno da eleições de 2016 no ultimo domingo, (30/10). Apoiado pelo governador d estado, Jackson Barreto (PMDB) ele enfrentará dois dilemas nesta atual conjuntura.

Terá a minoria da Câmara Municipal: Dos 24 vereadores eleitos na capital sergipana, apenas oito fazem parte da base aliada. Com isso, ele deve enfrentar problemas para aprovar propostas no plenário já que a oposição é mais numerosa. Os vereadores eleitos Iran Barbosa (PT), Isac (PCdoB), Bigode do Santa Maria (PMDB), Pastor Alves (PRB), Evando Franca (PSD), Nitinho (PSD), Dr. Gonzaga (PMDB) e Professor Bittencourt (PCdoB) fazem parte da coligação de Edvaldo Nogueira.

Contra a sigla

Dos vereadores eleitos, sete fazem parte da coligação do candidato derrotado no 2º turno, Valadares Filho (PSB). São eles: Lucas Aribé (PSB), Elber Batalha (PSB), Zezinho do Bugio (PTB), Anderson de Tuca (PRTB), Jason Neto (PDT), Thiaguinho Batalha (PMB) e Cabo Amintas (PTB).

Indefinidos

Outros sete vereadores eleitos ainda estão em posição indefinida, mas há indicação de que farão oposição a Edvaldo Nogueira porque declararam apoio à candidatura de Valadares Filho no 2º turno. São Vinícius Porto (DEM), Juvêncio Oliveira (DEM), Dr. Manuel Marcos (PSDB), Fábio Meireles (PPS), Palhaço Soneca (PPS), Drª. Emília Correa (PEN) e Seu Marcos (PHS).

Os vereadores eleitos com posição neutra são Kitty Lima (REDE) e Américo de Deus (REDE).

Nacional

A maioria dos prefeitos ligados ao PMDB em Sergipe orgulham-se de poder contar com o governador e o presidente que agora é da sigla, mas em alguns casos as coisas não são exatamente perfeitas.

Jackson Barreto que apoiou Edvaldo Nogueira foi contrario durante a votação do impeachment da ex-presidenta Dilma quando seu partido, o partido do presidente Michel Temer foi o maior interessado no processo. Ao lado de Temer neste processo esteve André Moura, nomeado braço direito do presidente na Câmara Federal e Valadares senador por Sergipe e pai do candidato derrotado Valadares Filho.

Nesta conjuntura não há como não se questionar sobre como será a relação de Edvaldo e Jackson com o Presidente. Temos que lembrar ainda que pelo menos três senadores e dois deputados estarão na linha de frente da oposição à Edvaldo.