A Associação dos Delegados de Polícia Civil (Adepol) permanece com o movimento de reivindicação e suspensão dos plantões extraordinários em 29 delegacias do interior onde não possui delegado titular.

Por conta do movimento, o presidente da Adepol, o delegado Paulo Márcio, garante que os delegados estão sofrendo pressões para trabalharem. “Em que pese às coações, em que pese as pressões exercidas pelo delegado geral constrangendo delegados de polícia, sob pena de abertura de processos na corregedoria, muitos continuam aderindo as orientações da Adepol e não estão indo para os plantões. É com muito pesar, preocupação que nós recebemos as informações dessas atitudes despóticas do delegado geral Alessandro Vieira e vamos tomar providências no sentido de defender os delegados”, garante.

A categoria busca que o governo promova uma isonomia com outras carreiras, gratificação para delegados que acumulam delegacias, bem como realização de concurso público para delegados de polícia.

Sem delegados

Estão sem delegados titulares, os municípios de Telha, Canhoba, Amparo do São Francisco, Pinhão, Pedra Mole, Gararu, Nossa Senhora de Lourdes, Itabi, Feira Nova, São Francisco, Muribeca, Japoatã, Santana do São Francisco, Pacatuba, Brejo Grande, Santo Amaro das Brotas, Nossa Senhora Aparecida, São Miguel do Aleixo, Cumbe, Santa Rosa de Lima, General Maynard, Pedrinhas, Arauá, Santa Luzia do Itanhy, Tomar do Geru, Macambira, São Domingos, Malhador, Monte Alegre.

O delegado Paulo Márcio faz uma recomendação à população dessas localidades que estão sem a atuação do delegado. “Se existir cartório com escrivão nessas delegacias eles poderão registrar normalmente os BO, já havendo necessidade de inquérito ou termo de ocorrência, aí cabe a polícia dizer se é o regional ou designar outro delegado pra essa delegacia, mas por enquanto, permanece os delegados não acumularem e responder apenas por sua cidade”, informa.

SSP/SE

Em resposta a assessoria de segurança pública divulgou uma nota à imprensa sobre o assunto. Confira aqui a nota na íntegra:

O Delegado Geral da Polícia Civil do Estado de Sergipe esclarece, considerando o teor de notícias inverídicas ou deturpadas que estão sendo veiculadas na mídia:

1. O Governo do estado recebeu e vem analisando, desde o ano passado, propostas de revisão remuneratória apresentadas separadamente pela Associação dos Delegados de Polícia Civil – ADEPOL e pelo Sindicato de Policiais Civis – SINPOL. Ambas receberam por parte da Superintendência da Polícia Civil o mesmo encaminhamento, qual seja, envio à Secretaria de Governo para tramitação e análise;

2. O projeto da ADEPOL, em síntese, busca uma isonomia com outras carreiras jurídicas do Executivo, em particular a dos Procuradores de Estado. A proposta do SINPOL, por sua vez, busca uma recomposição com base em índices de reajuste anual não aplicados.